Escolher ginecologista: homem ou mulher?

Há uns tempos a minha filha perguntou-me o que faria um homem querer ser médico ginecologista.

Achei pertinente a questão à qual não soube responder.
“Será que há muitas mulheres em Urologia?” – pensei…

Dei por mim a recordar a minha história e a aperceber-me que sempre tive médicas – sendo que a atual foi minha obstetra e é minha médica há quase 20 anos – apesar de ter crescido a ouvir que os ginecologistas homens são “mais cuidadosos”, “mais gentis” e “melhores ouvintes” e de ter amigas que repetem tudo isto ainda ao dia de hoje…

Torço um bocado o nariz a estas generalizações.
Soam-me sempre àquelas coisas que passam de geração em geração e que repetimos sem pensar, sobretudo quando é para minimizar prestações femininas.

Sim, também já tive uma ginecologista péssima que me tratou mesmo mesmo mal – e uma outra que no meu instagram me desejou que apanhasse COVID – mas maus profissionais e más pessoas existem em todas as profissões e não me parece justo generalizar que “as médicas ginecologistas são [whatever]…” e que os médicos “são mais [introduzir característica positiva] que elas”.

Há dez anos, as mulheres no Reino Unido pareciam não declarar uma preferência; uma minoria que escolhia homens dizia que estes “compreendiam melhor os seus problemas” , e as mulheres não-brancas, com rendimentos e nível mais baixo de escolaridade preferiam ginecologistas mulheres.

Em 2017, no Congresso Anual de Ginecologia americano foi apresentado um estudo que revelou que as mulheres ginecologistas tinham 47% menos probabilidade de receber uma boa avaliação por parte das suas pacientes que os seus pares de género masculino.

A justificação, especula-se, talvez esteja no grau de exigência que se tem com as mulheres médicas.
Queremo-las simpáticas, gentis, e uma série de outras coisas que talvez não exijamos aos homens porque, na verdade, em termos sociais também é para isto que estamos condicionados – a mulher tem de sorrir para ser simpática e não deixar ninguém desconfortável.

Parece ainda existir um viés que reforça estas diferenças quando se trata de cirurgias, com os médicos homens a ser tidos como “tecnicamente mais competentes” – um estereótipo que afecta diretamente a saúde mental das jovens estudantes nas áreas de cirurgia.

Pergunto-me se na base disto não está uma construção social de género daquelas que nos diz que os rapazes podem ser pilotos e as miúdas vão para assistentes de bordo, que eles são bons a matemática e elas a humanidades, ou ainda – diretamente do século passado – que eles são médicos e elas enfermeiras.

E é mesmo interessante perceber que entre a classe médica, segundo o Medscape Physician Compensation Report de 2017, a especialidade mais mal paga é Pediatria onde, adivinhem!, a maioria dos profissionais são do sexo feminino. Dá que pensar?…

Porém há um facto curioso: nos E.U.A – onde o intervalo salarial entre ginecologistas homens e mulheres há poucos anos rondava os 36.000USD anuais (a favor deles, claro) – os ginecologistas homens estão a desaparecer apesar de ocuparem a maior parte das posições de chefia relacionadas com a área (como parece acontecer com tantas outras e em tantos outros países).

Estima-se que dentro de uma década sejam apenas um terço do total de profissionais nesta especialidade. Serão sinais dos tempos americanos, do feminismo de 4ª vaga?

E por cá, como estamos? Haverá dados sobre isto?

Será que continuamos a tomar decisões com base em construções sociais que nos ficaram no subconsciente em termos de género quando toca a fazermos a escolha de um ou uma ginecologista?
Que argumentos nos apresentamos mentalmente para essa escolha? Contribuem para agravar disparidades na discussão da igualdade de género?

Numa época em que a discussão da menstruação se quer global e inclusiva, e caminhamos para um futuro menstrual que pertence a quem tem útero e ovários, como compatibilizar isso com este possível afunilamento de género dos profissionais que nos prestam cuidados?

Não sei responder mas vou pensar no assunto.
Espero que vocês também.

Bons ciclos!

Carrinho Item Removido. Desfazer
  • Nenhum produto no carrinho.